BlogBlogs.Com.Br

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Eu, eu mesmo e o personagem

Uma das coisas que me dá mais prazer como pseudo-escritor é construir personagens. É aquela sensação de poder divino de criar a vida a partir do nada. Ele surge como um ser frágil, sem nome, sem um físico, sem nenhuma característica marcante. Mas aos poucos vai se mostrando, revelando ao leitor a que veio e o que ele pretende fazer na história. Quando um personagem consegue fazer esse arco de maneira satisfatória e ainda cativar as pessoas, é sinal de que você está indo no caminho certo.

Tenho certeza que alguma vez alguém já te falou para não confundir o escritor com o personagem. Eu concordo com isso... mas em partes. É claro que nenhum personagem é a descrição perfeita do autor. Mas todos eles são como uma colcha de retalhos de experiências. Coisas que o autor presenciou, que ouviu falar, que imaginou. Enfim, praticamente tudo naquele novo ser é fruto de algo.

Isso me lembra muito o monstro construído pelo Dr. Frankenstein. Uma perfeita união de outros pedaços humanos criava outro ser, totalmente independente e fora de controle. E não é assim também com os personagens que criamos?

domingo, 27 de dezembro de 2009

2010!!!!

Eu sei que é a logo do novo Windows, mas não achei outra imagem tão legal assim com 7.

O ano está acabando. Como todo mundo, também resolvi encarnar o espírito “arrumando a casa” e montar uma lista de objetivos para 2010. Fiz um top 7. Por quê 7? Oras, porque é o número cabalístico que contém o 3 (símbolo da perfeição mística: Pai, Filho e Espírito Santo) e o 4 (símbolo da plenitude humana: primeira infância, adolescência, maturidade e idade avançada). Enfim, o masculino e o feminino. A dualidade da vida somadas num número admirado há milênios: http://www.andsol.org/portugues/mat/sete.html .

Mentira, eu fui listando e acabou saindo 7...

1- Humildade.

2- Ler, pelo menos, 20 romances esse ano. Ler mais poesia. Assistir um filme por semana.

3- Passar de 80 para 90% o mínimo de textos da faculdade lidos até o fim do semestre.

4- Surpreender, ao menos uma vez, todos os dias. (a mim ou a qualquer um).

5- Encontrar uma ONG e fazer trabalho voluntário.

6- Reafirmar todos os compromissos que já assumi. (Inclusive o de ser mais sucinto nas minhas postagens... rs)

7- Voltar a pensar, seriamente, sobre um velho grande plano que tenho...

É claro que talvez eu não consiga atender a todos esses objetivos, mas até que acho que consigo. Não importa. Na verdade, o essencial é definir metas. Como dizem, buscar é o combustível da humanidade.



Só pra garantir, em todas as postagens que escrever vou colocar o que estou lendo e o que estou ouvindo:

- Lendo: Budapeste – Chico Buarque de Hollanda

- Ouvindo: Eu vou tentar – Ira!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Livro de mulherzinha que nada!

Pelo menos, não SÓ de mulherzinha.

Imagine comigo: Festa de fim de ano no trabalho. Os colegas todos reunidos num estranho ambiente de “descontração, mas nem tanto”. Alguns salgadinhos e nenhuma bebida alcoólica. Aquele típico amigo-oculto em que sempre se corre o grande risco de tirar alguém que você, no máximo, cumprimenta levantando as sobrancelhas durante o ano todo.

- Gente, gente...Calma, vamos começar a brincadeira – Diz o chefe da redação. Que, claro, começa. – Meu amigo-oculto é...

Depois de algum suspense e de um ou outra interna do trabalho, descobrimos o felizardo: eu. Como de costume, deixo meu prato de bolo na mesa, vou até o meio da roda, volto para colocar no prato a colher que ainda estava na minha boca, cumprimento o chefe, trocamos abraços e pego meu presente. Já ia deixar de lado – lembrando que a possibilidade de ganhar algo, no mínimo, inusitado, é alta nesse tipo de amigo-oculto – queria guardar pra abrir em casa. Mas meus colegas de redação e das ilhas de edição – pensando exatamente o mesmo que eu, claro – começaram o coro: “Abre! Abre! Abre!”.

Quando abri, senti uma mistura de “que presente engraçado!” com “isso é gozação com minha cara?” e um pouco de “sério que eu pareço precisar tanto de uma coisa assim?”. O dito cujo era um livro chamado Mulheres, por que será que elas...? da escritora e jornalista mineira Leila Ferreira. Depois de algum tempo sem reação, me lembrei de onde estava, agradeci ao chefe, entreguei meu presente para uma colega e seguimos a brincadeira.


Na hora levei tudo muito na brincadeira. A sensação de “que presente engraçado!” e minha queda pelo humor non-sense me fizeram gostar muito da situação. Assim, não podia deixar de contar o caso para meus colegas. Um dos primeiros para quem contei, grande amigo nosso (sim, vocês o conhecem), comentou: - Hum. Um livro de mulherzinha! Estou na minha fase “livros de mulherzinha”. Depois quero emprestado.

Calma, antes de eu dizer com todas as letras o título desse post novamente, vamos à questão principal: O que é um “livro de mulherzinha?” Pra mim, livro de mulherzinha é algum fútil, bobo, que trata do universo feminino de um jeito infantilóide e romanesco [ponto] Sabrina e coisas do tipo. Se assim for, definitivamente, Leila Ferreira, nessa obra, não fez um livro assim.

Não vou fazer crítica literária aqui por dois motivos bem simples. Um, eu não tenho capacidade nem repertório suficiente para tal (bem que queria ter). E, além disso, esse livro me faz querer falar de outras coisas interessantes que não sua estrutura narrativa, as referências, o trabalho com a linguagem, as metáforas e etc. Fiquem aí com minhas impressões de leitura:

Quando peguei, depois do alvoroço da festa e de rir bastante da situação, no livro de capa verde e vermelha publicado pela editora globo, a primeira coisa que fiz foi dar uma olhada geral. Depois de folhear por dentro (mania que repito, por costume, desde que lia os livros da coleção Vagalume) e constatar, óbvio, que não havia gravuras, li o texto da contra-capa. Abri, li a orelha do começo e, na orelha do fim, vi a foto da escritora.

Leila está posando de pé, enquadrada quase de corpo todo (corte abaixo do joelho), calças jeans, um casaco fino azul marinho e uma simples blusa branca por baixo. De braços cruzados e sorriso aberto, ostenta cabelos ruivos-escuros curtos num corte moderno e uma maquiagem leve. Se foi pensado ou não, vai saber, mas essa foto é o resumo perfeito da obra: jovial, descontraída, irreverente e agradável.

Lendo o livro, me senti como que se estivesse sapeando a TV e parasse num programa a la Programa Livre só de mulheres. Se preferir, foi como se um grande grupo de meninas, jovens, adultas e senhoras na “melhor idade” estivessem sentadas num bar conversando naturalmente. Eu era um mosquito voando desapercebido por elas. Enquanto assistia, elas falavam abertamente.

Eu era o único homem no meio daquele tanto de mulher batendo papo e contando causos, uma experiência hilária! O único?! Minto. Durante todo o livro, se não me engano, aparecem três outros homens com direito à fala: Um gay, um baiano que reclama não conseguir dar cinco (isso mesmo que você está pensando) e um pobre coitado de 25 anos que leva “o” pé na bunda porque gosta de roupão de seda e leite quente.

Já ouviram falar de livro que se lê de uma vez só? Pois esse é quase um da espécie. Abri para ler durante minha viagem de BH para Luz. Chegando aqui, parei, cumprimentei meus pais e voltei a ler até terminar. Devorei as suas 242 páginas em cerca de 7 horas: um livro que se lê (no meu caso) de duas vezes só.

O jeito que a autora escreve é fluente e te conduz como se tudo não passasse, com o perdão da repetição, de uma conversa distraída. Aparentemente, o livro foi construído com base em uma série de entrevistas. Mas a Leila Ferreira consegue driblar bem essa estrutura que poderia ser um gesso, ligando os depoimentos com “Fulana que é amiga de Cicrana...” “Beltrana concorda com a outra e emenda...” Claro que parte do mérito está também na edição dos casos que são muito engraçados.

Sem dúvida que a obra tem lá seus defeitos. Leila parece se dirigir para um público bem específico. As mulheres referidas na capa parecem ser hilariantemente consumistas, ultra-vaidosas, inseguras, perfeccionistas, ninfomaníacas, submissas e desesperadas. Em alguns momentos, raros, a narrativa chega a ficar um pouco saudosista e com uma pequena ponta de remorso, ou “culpa” por parte da própria autora (rs). Mas, do mesmo modo que o homem (rude, frio, esquecido, arrogante e objeto) é um estereotipo, acho que as mulheres de Leila também devem ser. Ninguém é exatamente o que está escrito ali, apesar de todos terem maior ou menor familiaridade com cada caso contado. A própria autora parece construir, no fundo, uma crítica à sociedade pós-feminista em que as mulheres acumularam funções e ficaram cada vez mais superficiais.

Li o livro com a intenção de conhecer melhor o universo das venusianas. Depois de “casais dupla sertaneja”, conversas “bacia hidrográfica” (que ainda não consegui imaginar como é de fato), “colocar iogurte em vasilha diferente pra não ‘lembrar’ que é iogurte” e etc, não alcancei o tal objetivo completamente, até porque ninguém nunca vai alcançá-lo. Só sei que ri bastante e agora sou ainda mais fascinado e louco por elas.


- O quê? Claro que mulheres são menos inteligentes que homens – Diz ele brincando com sua namorada.

- Que absurdo! Você não tem argumento cabível pra provar isso! – Respondeu ela, estudante de direito, provocando o parceiro.

- Querida, me diz aqui: Você já viu algum homem comprando roupa de abotoar atrás?

...


segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Modo Subjuntivo



Às dezessete horas, o sol já estava morno. O céu começava a se manchar de um laranjado-magenta que sinalizava a proximidade do crepúsculo. Um fim de tarde que encerrava, com chave de ouro, aquele dia ensolarado de poucas nuvens capaz de dar vida nova a qualquer um que parasse um segundo para deslumbrar essa dádiva. Como se alguém parasse.

Apesar da barulhenta cidade, da multidão de pessoas e carros e de todos os problemas que existem. Naquele dia, alguns pássaros ousaram cantar e as árvores estavam em flores. Era um cenário típico do mais romântico dos contos de fadas. Como se alguém notasse.

Ela estava absorta em seu livro. Apaixonada pela filosofia clássica, se perdia platonicamente no seu mundo das idéias. Mesmo com toda bagunça e desordem, sublime e alheia, Minela estava completamente envolta em sua leitura. Sentada na praça principal daquela cidade tão importante, quase na posição de Lotus. Sentia, ou pensava sentir, uma certa repulsa por todos aqueles que passaram, em suas vidas insignificantes, mesquinhas e pequenas.

Ele era fruto do caos, Herbert, um entregador. Saindo da transportadora e indo em direção à moto, ele atravessa a praça com sete ou oito caixas na mão e alguns papeis na outra. Pensando em qual seria o melhor caminho para pegar, como evitar aquele terrível tráfego da região central, sair do olho do furação do jeito menos ruim. Sentia o estômago roncar, não havia almoçado por falta de tempo. Andava intrigado com como aquele trabalho era incrivelmente chato e em como ainda faltava tanto tempo para a sexta-feira: era quinta. Mas ainda sim, preferia ser do jeito que era do que a ser um “engomadinho” qualquer.

Ele passa em frente a ela. Sem mais, segue em frente e nem tem porque olhar para os lados. Já está a cerca de dois metros dela, quando volta. Para em frente ao banco, coloca as coisas que carregava ao lado dela.

Se dissesse "oi", provavelmente ela responderia "oi?", distraída com seu livro, ele repetiria "oi!" e os dois ririam daquela confusão tola. Talvez ele gostasse da voz dela e perguntasse o que lia e ela, por educação, claro, responderia perguntando se ele já havia lido. Com a possível negativa debochada, ela seria tentada a lhe convencer do quão importante é a filosofia e ele a ouviria só pelo prazer das sílabas saindo naquele timbre, frequência e altura tão próprios. Depois talvez ele até gostasse do assunto e lembrasse do livro que lera quando pequeno, sobre uma menina que recebia um estranho curso de filosofia pelos correios. Ele bem que pediria mais indicações e talvez ela aceitasse dar. Talvez até marcassem de se rever para que ela descobrisse como é "a emocionante vida sobre duas rodas". Quem sabe eles se dessem impressionantemente bem e nunca mais conseguissem conceber um dia sem a presença um do outro?

Numa quinta-feira, às 17:12, a uma pessoa totalmente desconhecida, em plena a praça principal? Herbert, evidentemente, amarra os tênis e continua seu caminho até a moto. Como se ele fosse mesmo dizer oi

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Sapatos de couro





- Nada não, só um resfriado.

...

Terça-feira, sete e trinta: Douglas acorda mecanicamente. Toma seu banho e veste-se exatamente como na segunda: Camisa social azul clara de mangas compridas, calças e paletó cinza escuro com risca de giz, gravata azul marinho com listras brancas guardada no bolso e sapato de couro negro italianos. Esses sapatos eram os melhores do mundo, já dizia seu falecido pai. Tão bons que não se podia experimentá-los antes de comprar. Segundo o velho artesão Rizzon, “uma vez que um pé entra no sapato e estica o couro, ele nunca mais volta a ser o mesmo”. Todas as peças de roupa estavam impecavelmente bem passadas e com caimento perfeito, ele era um retrato de solidez e confiabilidade. Dizem que não há nada melhor para um sub-gerente de processos executivos.

O café da manhã, inexoravelmente, era duas xícaras de café expresso com três gotas de adoçante e quatro torradas médias com uma camada fina de manteiga sem sal. Na última torrada, prazerosamente, permitia-se que a camada de manteiga fosse médio-fina e via naquele ato furtivo sua única alegria matinal. Lava todos os utensílios utilizados e, antes de sair, confere três vezes se cada janela e porta estão trancadas, muito embora more no 15º andar de um prédio em Nova Lima.

Antes de apertar o elevador, confere, em quatro passos, se não esquecia algo: Chaves da casa, chaves do carro, pasta e carteira. Mais uma vez: Chaves da casa, chaves do carro, pasta e carteira... Chaves da casa, chaves do carro, pasta e carteira. Agora sim. Desce até a garagem, abre o Toyota e dirigi-se para o centro.

Douglas detestava gravatas. Sentia como se estivesse sendo sufocado por algum assassino psicopata frio e silencioso. Deixava para vesti-las só quando estava dentro do elevador do escritório entre os 5º e 13º andares. Aquilo era um misto de sensações: sentia-se ousado por evitar o inimigo linguarudo até o fim e também sentia-se como um burro que caminhava conscientemente para o matadouro todos os dias.

Quando terminou de estacionar eram oito horas e três minutos, bastava atravessar a rua, muito embora só devesse bater o cartão daqui há cinqüenta e seis minutos e vinte segundos. Subiu do estacionamento e viu aquele mundo de sempre. Pessoas correndo sem olhar para os lados, celulares na orelha e milhões tons entre o cinza e o cinza escuro. Tão familiar.

Bastou um único passo, que azar, um relaxamento instantâneo e pronto! Um Office boy esbarra em Douglas que se desequilibra e, aos tropeços, vai em direção há uma enorme poça na sarjeta. Os sapatos. Numa manobra bizarra, sobrevoando carrinhos de bebê e apoiando-se em máquinas de construção, ele se desvia da poça. Desvia-se da poça e pisa, com os dois pés, no cimento fresco. Pobres sapatos italianos.

Douglas se contém, sente a fúria sozinho, não é culpa de ninguém ali, o office boy desastrado já estava longe. Para sua sorte, ou do destino, ao lado do prédio onde trabalhava havia uma renomada loja de roupas e sapatos e uma simpática atendente.

Ele entrou e confirmou, logo após o “bom dia” da mulher, o que acabara de pensar, sim, muito simpática. Não que fosse feia, desajeitada ou qualquer coisa do tipo, mas não dizia que era bonita ou atraente, era uma adorável e simpática atendente. Talita. Sem “H” ou qualquer outra firula, normal, morno.

- Outra Gucci Azul Royal, senhor Rizzon?

- Não Talita, hoje procuro por sapatos. Sapatos de couro negro italianos.

- Ah sim, claro. Ótima escolha, senhor Rizzon. Pegarei nossos modelos, um minuto.

E se foi ela sorrindo. Douglas não sabia o que, mas tinha alguma coisa intrigante naquela mulher. Devia ser o sorriso, sincero, onde já se viu uma coisa dessas? Pensava nisso e em outras dezenas de coisas do escritório, estava quase na vertigem da raiva e ainda nem havia colocado a maldita gravata, quando ouviu a música da loja. Legião Urbana. Era uma playlist completa dos brasilienses: Dia perfeito, Se fiquei esperando meu amor passar, Hoje a noite não tem luar, Que país é esse, Pais e Filhos, Quase sem querer. As lembranças da juventude borbulhavam na cabeça do velho, de 28 anos, Douglas Rizzon.

Mas foi numa música triste que ele se sentiu mais feliz. Quando percebeu que podia ser bom não ter quem cure a saudade que ele sentia de tudo que ainda não havia visto. Seus olhos se recaíram sobre uma blusa floral lilás. “Lilás, Douglas?” Ele pensou... sim, lilás.

- Aqui estão nossos mais novos modelos, senhor Rizzon.- Disse a atendente, ao voltar, e, finalmente, Douglas entendeu a graça que todos no ginásio viam em seu nome.

- Talita, acho vou ficar com esse. Posso lhe fazer duas perguntas?

Até onde ele seguiria com aquilo?

- Claro, senhor Rizzon.

- Você pode me chamar só de Douglas, por favor?

Ela enrubesceu e murmurou um “pois não” sem jeito.

- E... Vou para Vitória, quer ir comigo?

O rosto de Talita e seu uniforme vermelho pareciam ter a mesma cor.

- Como assim? Quando? – Ela perguntou confusa.

- Agora. Pegue aquela blusa floral para mim e venha...

- Não. – Respondeu firme.

Douglas engoliu seco. Não? Mas ele não podia deixar a poeira baixar, o ânimo passar, a adrenalina se diluir no sangue. Olhou para ela mais um segundo, continuou imutável. Ele pegou a camisa sozinho e seguiu pela rua.

- Me espera! – gritou ela da porta e saiu correndo – Você precisa ser mais persistente!

Sem sentido algum, rumaram para a estação de trem e pegaram o primeiro para o Espírito Santo. Dez horas de viagem, dois estranhos se tornaram grandes íntimos e, por coincidência ou conveniência, o filme preferido de ambos era Before Sunrise. Chegando no litoral, alugaram um carro barato e andaram por toda a cidade. Os pontos turísticos, as ruelas fora dos guias, centros históricos, a praia.

Quando anoiteceu, nenhum dos dois tinha mais dinheiro.

- Bom, ainda bem que compramos a passagem de ida e volta – Brincou Talita.

- É... Mas não temos lugar para dormir.

- Lugar temos, o carro. Mas você estava pensando em dormir?

Me abstenho de descrições mais detalhistas. Em vitória, Douglas e Talita viveram um universo paralelo momentâneo, um estalo bucólico em algum lugar entre uma segunda e uma quarta-feira.

No dia seguinte, Douglas perdeu a hora e saiu de casa, às pressas, oito e quarenta, seu café da manhã foi um fast food que lhe caiu peculiarmente mal, o trânsito estava um inferno, seu pneu furou e quando chegou ao prédio do escritório, a loja ao lado estava fechada para reformas. Subiu treze andares, se esqueceu da gravata. Parou, sentou-se no lugar de sempre e olhou para baixo: ainda vestia os sapatos italianos sujos de cimento. Cutucou o colega do lado:

- Cara, sabe o que aconteceu ontem?

- Sei. Nada. Esse emprego ainda me mata. – respondeu apático.

- Não. Comigo!

- Uai, você não veio ontem? Por quê?

Douglas ficou espantado e até ressentido por um instante, “nem sentiram minha falta?”, mas logo percebeu que não era com ele o problema. As pessoas à volta é que nunca saíam de seus mundinhos sufocantes. Ele não estava mais sufocado e isso não tinha nada a ver com a gravata. Riu lembrando-se do seu pai e respondeu:

...

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

O melhor dos dois



Quando eu era criança, sonhava com um lugar bom de estar. Cercado por algumas montanhas e com um clima bem agradável. De um tamanho que nem precisasse subir muito no céu para ver tudo pequeno, na verdade, o melhor seria se bastasse subir numa árvore e ver o fim da cidade lá de cima.

Seria bom andar na rua cumprimentando todo mundo como se fôssemos uma única e humilde família. Usar essa roupa que separo para as idas à padaria no domingo de manhã em qualquer dia ou situação. Um ponto no espaço onde sempre fosse domingo de manhã.

Um belo domingo de sol e brisa. Um vilarejo onde existissem menos casas do que macieiras, mangueiras, jabuticabeiras ou goiabeiras. Todas prontinhas, esperando algum casal para passar o dia todo sob suas sombras. Onde todo mundo pudesse ficar na rua até mais tarde. Bastassem 10 minutos na bicicleta para chegar a uma refrescante cachoeira depois da curva na estrada de terra.

Hoje em dia, sei que nunca conseguiria viver assim. Gosto de estar antenado com o mundo, saber o que está acontecendo a cada segundo. As coisas mais e menos importantes que a Internet me mostra. Ora se não é mágico também conversar com aquela pessoa querida a qualquer momento usando o tal do celular?

A vida frenética da boemia urbana. Os bares, festas, a night... Ser fuzilado pelo entretenimento. Ter uma casa bem confortável, uma bela TV na sala e um carrinho na garagem. Grande ou menor, que a casa fosse bem arquitetada e bonita. É bom ter um emprego digno e justo, mesmo dentro de um escritório. Por quê não?

Já ouvi dizer que ninguém pode ter tudo. Que pena! O ideal seria ter esses dois mundos juntos e em harmonia. Aliás, não quero tudo, quero só o melhor dos dois. Dentro desse imenso país de vasto litoral e com mil interiores. Cada um mais diverso, múltiplo, vivo e ambíguo que o outro, quem dera meu sonho também estivesse ali no meio.



Bem, eu sou feliz. Sou feliz porque, pelo menos para mim, existe esse lugar. Quão bom não seria se todo o mundo por dentro e por fora, enfim, ele todo, não fosse como esse interior do oeste das Minas Gerais: Luz.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O texto é meu e pronto

Eu estava sentado no balcão de um simples salão de festa quando ele me cumprimentou:


J. - Hey! Tudo bom?

M. – Eu te conheço?

J. - Sei lá. Você acabou de dizer “quando ele me cumprimentou”. Só estou seguindo as regras.

M. – Que maluquice é essa de se referir à narração do texto?

J. – Que maluquice é essa de escrever um texto onde você é narrador, personagem (até aí tudo bem) e autor ao mesmo tempo? Faltou à aula de Teoria da Literatura? Narrador e Autor são pessoas diferentes.

M. – Como eu posso ser o autor e escrever minha própria vida?

J. – Ora, não é nisso mesmo que você acredita, Senhor Livre-arbítrio-a-qualquer-custo? Enfim, meu nome é Juan (putz, você tá sem criatividade pra nomes hoje, hein?!) e vim aqui para lhe ajudar com as mulheres...

M. – Primeiro, quem disse que preciso de ajuda com mulheres? Segundo, já que esse texto é meu, vamos fazer dele alguma coisa mais útil.

J. – Mais ú... peraí, você disse útil? Ah, então tudo bem. Achei que havia dito melhor, já ia te perguntar o que era melhor que mulher... Texto mais útil como?

M. – Uai, é como o professor de Literatura diz... Um texto tem que carregar alguma discussão profunda debaixo dele... Suscitar uma boa reflexão...Sei lá... Discutir a própria Literatura e seus elementos constituintes... Ou alguma coisa mais sociológica do tipo: como existem pessoas machistas nesse mundo e sobre o feminismo oportunista de hoje em dia... Ou ainda poderia apresentar os conflitos psicológicos de uma geração de jovens ávidos por desafios, mas perdidos em suas próprias palavras inebriantes...

J. – Ah, claro, senta lá, Cláudia.. Não quer acrescentar uma crítica feroz ao jornalismo apático e mentiroso que se pressupõe objetivo caminhando sobre o bem e o mal, não? Por favor! Você acha mesmo que conseguiria fazer isso? Para ser bom escritor tem que ser bom leitor... Você leu, no máximo, uns 50 livros até hoje e deve ter prestado menos atenção neles do que em jornalzinho de ônibus... Mas por falar em crítica literária... você tem escrito muitos diálogos, né? Ta começando a ficar previsível...

M. – Ou posso estar começando a achar meu estilo!

J. - Diálogos são muito complicados de entender... Quem lê se perde...

M. – Qual é... Eu coloco a inicial de quem está falando antes da fala... e quase nunca tem mais que três personagens na mesma cena... Sem falar que a leitura fica mais dinâmica e aproxima mais o leitor da narrativa... Estou te falando, acho que essa é minha "estética literária"...

J. – Pelo bem do mundo, espero que não.... Me vê duas caipi-vodkas aí, chefe!

M. - ...

J. – O QUE É ISSO?!


Juan ficou estupefato com o corpo que viu atrás do balcão...


J. – E com o preço dessa caipi-vodka também! Mas você-narrador é quem manda... MEU DEUS, UM CORPO ATRÁS DO BALCÃO!? Olha, cuidado com esse tanto de conflitos nesse texto, você ainda tem que explicar o título, dar um desfecho que preste, o lance com as mulheres e agora esse corpo... isso vai ficar gigante, ninguém vai ler até o final....

M. – Ninguém nunca lê mesmo... E vamos parar com isso de “esse lance com as mulheres”.. que lance?

J. – Ora, você inventou um personagem todo despojado como eu, com o nome de Juan e nos colocou aqui, em um salão de dança cheio de gatinhas... Cara, todo mundo já percebeu que tudo isso não passa de uma embolação sem fim pra você escrever sobre essa tal fase “eu cansei de ser bonzinho” que você está passando, Mizaru...

M. – Juan, você nem me conhece, não sou tão clichê assim... Costumava ser, mas não sou mais...

J. – Tá tá... Escuta só A Verdade. Olha pra pista... Todas essas mulheres estão aqui para jogar... Tudo é um jogo... E, para elas, o vencedor tem que seguir quatro critérios muito simples. Você tem que ter Isenção [não se apegue a nenhuma delas], Pluralidade [Ora, todo mundo se cansa rápido... aproveita que o público tem memória curta e diversifique seu número de presas ao máximo], Clareza [Sem piadinhas racistas... estou falando aqui de ser claro, vai direto ao ponto, se precisar, chega beijando] e, claro, ser Correto [Quer dizer, um cara reto, nenhuma mulher gosta de pessoas tortas – em qualquer sentido – você tem quer ser sempre ereto nas suas ações].

M. – Parabéns, você é quem escreveu o Manual do Pegador?

J. – Percebi seu sarcasmo. Mas, pra ser sincero, aquilo é o maior plágio da história... Enfim, o que eu disse era na teoria, na prática eu fiz um sisteminha pá-pum: Look, check e get.

M. – Por quê em inglês?

J. – Porque fica mais cool e style... Em Português seria algo como Olhar, checar e pegar.

M. – Detesto quando pessoas dizem “seria algo como” antes de traduzir alguma coisa que é EXATAMENTE como ela diz e não “algo como”...

Juan não me deu atenção e só pediu para que eu o olhasse em ação. Virou-se para a primeira que viu. Colocou-a de costas para mim, para que eu pudesse o ver sobre os ombros dela. Juan a olhou nos olhos, deu-lhe uma bela apertada entre as pernas, fez um sinal de positivo para mim e tacou-lhe um beijo de cinema igual o tapa que levou logo de volta. Voltou massageando o rosto e me vendo gargalhar

J. – Buscar inspiração em Splish Splash do Roberto Carlos foi tenso.... E, pro seu governo, na música o beijo e o tapa não são como de cinema, mas sim no cinema. De qualquer forma, valeu a pena. Peguei, né? O que você está anotando? Que papel é esse?

M. – Um texto que estou escrevendo...

J. – Ah, o título... Não pergunto mais nada. Isso já está muito metalinguístico pro meu gosto... Se desse algum palpite, aposto que você me responderia “O texto é meu e pronto”... Mas e aí? O que achou do meu método?

M. – Péssimo, não é pra mim. Cara, eu procuro uma coisa diferente. Uma relação baseada na cumplicidade, na confiança. Onde, juntos, duas pessoas possam compartilhar momentos legais e construir coisas bacanas... HEY, ACORDA!

J. – Desculpa... Peguei no sono aqui... Não eu, claro, mas você sabe que todo mundo acha isso um saco, né? ... Ow... Me larga... Que eu fiz? Qual é? Mizaru, me ajuda aqui... ow....

Só pude ver Juan sendo levado pro cantão por um brutamontes gigante que, a supor por como a mulher que Juan tinha acabado de beijar chorava copiosamente, era o esposo chifrudo. Ainda consegui ouvir meu “amigo” dizer uma coisa:

J. – Mizaru, a morta... A morta do balcão!!!

De repente, a mulher do outro lado do balcão levanta e sai resmungando: Meu Deus, tenho que parar de beber....


Vou aproveitar o momento pra avisar: Quem quiser deixar sugestões de temas ou simplesmente frases pra eu escrever sobre semana que vem... O blog nem tá tão bombante, com mil comentários... aproveita, se vc colocar, provavelmente é a sua que vou escolher...kkkkk... Mas não é garantido... enfim, ACEITO SUGESTÕES!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Anel de Polígono


As cortinas se abrem.

Não há nada no palco além de uma cadeira no centro, sob a luz do holofote. Entra o protagonista.

A. (angustiado) – Se estão aqui para ouvir algo novo, levantem-se e garanto que a linda jovem na bilheteria lhes devolverá o que gastaram. Sou Adam e o dilema que enfrento é igual ao que muitos, não digo todos porque me acusariam de arrogante, já viveram. Talvez, exceto os sortudos, talvez.

(senta-se na cadeira)

A. – Estou prestes a me casar ou a me matar, sem trocadilhos. Viviane é uma mulher linda e generosa. Tudo está marcado para semana que vem, na sexta. Porém, há o conflito, a complicação, claro, porque sempre há: a irmã. Quantas vezes mesmo eu já ouvi essa história? Amigos... conhecidos.... desconhecidos.... meu próprio pai passou por isso. Não adianta, a trama ciclicamente volta e nós caímos novamente. Estou exausto!

(Um feixe de luz incide sobre o canto direito do palco e aumenta gradativamente até o máximo. Trilha gregoriana: entra Viviane)

(Assim que sua silhueta começa a ser vista, risadas de deboche ecoam vindo de trás do palco)

V. – Não ria de mim, sua psicótica!

(A risada não para e, um pouco abalada e envergonhada, Viviane segue entrando)

V. – Meu amor, ouvi que estava exausto. Olhe, tome um copo de água.

M. (Do fundo do palco) Sua submissão é desprezível!

A. – Cheguei a citar que as duas irmãs estão aqui? Viviane e Mônica. O que as liga é o parentesco sanguínea e só.

V. – Meu amor é incondicional!

M. (Do fundo do palco) Eu não vim até aqui para falar contigo, lesma. Vim tomar o que é meu.

V. – Pois bem, vá embora. Não há nada que lhe pertença aqui.

M. (Do fundo do palco) - Não foi o que pareceu ontem ao telefone, não é querido?

V.- Cale a boca, ele me ama, tudo está marcado! Você não fará isso de novo comigo, Mônica! Ele sequer lhe conhece!

M. (Do fundo do palco) – Ora, essa é minha vantagem: o mistério. Você é como um entediante documentário de 6 horas sobre índios americanos, eu sou um ingresso para a montanha russa.

V. – Isso para mim é um elogio, um documentário certamente é muito mais útil do que um passeio no parque.

M. (Do fundo do palco) Claro que seria um elogio para você! Além de tudo, sempre foi lerda, sonsa. Não estou falando de escola, estou falando de viver! Deixe-me ser mais clara. Você: tédio. Eu: descobertas. Exatamente o que você mais gosta, como me disse ontem ao telefone, não é “Charlie”... (risos).

A.- Pare de dizer o que não deve, Mônica! Apenas palavras não podem abalar o que sinto! Você acha mesmo que eu trocaria todos os bons momentos que eu vivi com sua irmã por uma ou duas conversas ao telefone? Se continuei naquilo contigo, foi por falta de força, mas não se repetirá. Nunca vi seu rosto e você já pode sair daqui porque espero nunca vê-lo!

M. (Do fundo do palco) - Quem disse que vim lhe oferecer palavras, “Charlie”? Não faça esse joginho hipócrita agora... Hoje mesmo conversamos e sua curiosidade estava, digamos, peculiarmente alta. Você nunca me viu, mas já sonhou mais comigo do que com ela...

V.- Sua pervertida!

M. (Do fundo do palco) - Mas eu compreendo os “bons momentos” que passaram juntos... posso imaginar a clássica cena de você dormindo sobre o colo dela debaixo de uma arvora, dormindo sobre o colo da imaculada num banco da praça, cochilando nela no sofá de casa, dormindo com ela ao lado da lareira... dormindo... dormindo... é tudo que ela pode te oferecer... o tédio, o sono....

V.- Qual o problema de dividir bons momentos com quem se ama? Dormir junto é um sinal de confiança...

M.- Bem, asseguro que comigo você não dormirá, “Charlie”

V.- Sórdida! Pare de chamar meu noivo assim, o nome dele é Alam! Melhor, pare de se dirigir a ele e vá embora!

M. (Do fundo do palco)- Sórdida? Pra quem? Falsa! Nessa existência temos que fazer de tudo para sermos felizes. É como se tivéssemos ganhado ingressos grátis no maior parque de diversões do universo e você aí se resguardando para sei-lá-o-que. Desde que não interfira na vida de ninguém, aproveite a sua! E, a propósito, foi ele mesmo quem escolheu o apelido...

A.- Deixe-me, pelo menos saber como você é...

(sobe uma luz meio tom enquanto a silhueta de Mônica começa a surgir, lentamente. Sem trilha)

M. (quase sussurro, indo em direção a Alam) – Engraçado perguntar como sou porque ninguém sabe exatamente. Não me refiro a nenhum sentido psicológico-depressivo, mas esses últimos 5 anos na França realmente me mudaram. Nem minha família me viu, vim do hotel diretamente até você. - (parada há 10cm da nuca do protagonista, por trás, na penumbra) Ruiva? Loira? Mulata? Alta? Olhos claros? Escuros? Como será que eu sou?

A. (sarcático) – Não me diga que você pode ser o que eu quiser?

(A luz se apaga)

M (sussurro se afastando) Não, querido. Eu sou o que você não conhece...

A. - ... Que faço? (afasta-se das duas e aproxima-se do público) É como se fosse um jogo de luz e sombra. A voz da Viviane me conforta, da Mônica me desperta. Com minha noiva sei que terei uma vida boa, tranqüila e longa. Com Mônica, existe a possibilidade que eu tenha muito mais, mas é só possibilidade. É meu corpo contra minha alma. Minha razão contra meus instintos. Não estou aqui para que me julguem, já me basta o tribunal da minha própria consciência, mas quero que me ouçam. Tenho que escolher para qual darei, enfim, esse Anel de Polígono. Jóia de família, esse rubi de treze faces encravado no ouro 24 quilates, foi esculpido por meu bisavô. Esse anel é como um ciclo e é aí aqui está sua importância.

V.- Eu não posso acreditar que esteja em dúvida, meu amor! Eu lhe ofereço tudo o que pedir! (se ajoelha). Serviços domésticos, trabalhos, sacrifícios... Tudo, TUDO!

(Adam começa a caminhar em direção ao lado esquerdo do palco, onde Mônica se esconde, com o anel em mãos. Viviane rasteja atrás)

V. – Nossos planos! A casa na montanha! Nossos filhos! Não arruíne tudo, Adam! Quer que eu corte o cabelo? Pinte? Faça alguma cirurgia? Por favor, querido, minha viagem nesse lugar não tem sentido sem você!

(Adam não vacila e segue, lentamente, em direção à Mônica)

M. – Poupe suas lágrimas de cristal, irmãzinha. Enxugue esses olhinhos azuis e recomponha seus cachos loiros. Eu desisto.

A. (desespero) e V. (confusa) – O quê?

M.- Em todo bem há mal. Quanto mais luz, mais sombra. Todos os seres tem seus momentos de maldade e de bondade. Talvez eu queira simplesmente ser benevolente, talvez esteja envergonhada por sua decadência obcessiva e a facilidade com que conquistei seu precioso tesouro ou talvez eu só pense que esse joguinho fique mais interessante assim. Pense o que quiser, fique com ele agora. No fim, todos eles vem para mim, como sempre foi e sempre será, maninha. Você pode ter a vantagem de começar, mas depois de desfrutarem uma curta travessia contigo pelos campos da tranqüilidade e do cotidiano, eles sempre me procuram ou eu os encontro, para que terminem no meu desconhecido leito. Afinal, tudo que é quente esfria.

Mônica se retira.

Fecham-se as cortinas.




quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Dia D

Me pergunto de onde surgiu a idéia de um prazo de garantia. Sabe, aquela coisa de que tudo dura um certo tempo e depois vai estragar, não importa quão bem foi cuidado. Me pergunto de onde surgiu não porque não entenda a lógica (vender mais) mas porque quero parabenizar o gênio. Afinal, eu nunca teria tido essa idéia. Sabe por quê? Por que eu acharia que ninguém seria tão estúpido de comprar algo sabendo (isso mesmo, não finja de bobo, você sabe sim senhor) que vai quebrar.

É muito intrigante. Afinal de contas, ninguém nasceu ontem. E prazo de validade é como ida ao dentista, tem hora marcada e não dá para adiar. Então, como podemos comprar algo tendo certeza absoluta de que isso vai expirar e nosso dinehiro terá ido ralo abaixo? É de uma estupidez tão imensa que se parar para pensar chora. Mesmo assim compramos, sem pensar no futuro, carpe diem e essas coisas. Que venha o carpe diem pagar a conta do conserto (conserto é a primeira fase, negação: Você sabe que está na hora de trocar, mas faz como seu pai. "Comprei parece que faz ontem, não vou trocar tão cedo não!").

E os danados dos eletrônicos parecem que têm um relógio dentro, silencioso mas eficiente, que vai contando os dias que faltam para virar sucata e ser reciclado para fazer um mundo melhor. E quando esse dia chegar, pode saber: É o momento em que você precisava mesmo. O dia antes do trabalho final o computador pifa, a hora que a bolsa de água rasga o motor falha, a noite de Natal o forno desaba. Murphy é pouco. Isso é inferno astral.

A solução? Não há solução. Vá morar na floresta pelado e você vai perceber que a natureza tem tantos prazos como o mundo de metal. Seu corpo, principalmente. Só que esse não tem musiquinha de contestador para você ficar ouvindo enquanto "é transferido" para alguém que, tenha certez, não vai conseguir resolver seu problema.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

“Educando-se o jovem estaremos nos eximindo da tarefa de ter que castigar o adulto”


Bastaria dizer que a Ordem DeMolay foi simplesmente a melhor coisa que já aconteceu na minha vida até hoje e este seria o menor artigo feito sobre o assunto. Porém, apesar de completamente verídico, isso não seria suficientemente explicativo. Então, leitores, deixem-me começar por uma pequena história.

Há 702 anos, o então rei da França Felipe IV, o Belo, ordenou a prisão de cerca de 15 mil homens. Esses eram membros da Ordem do Templo ou Ordem Templária, ou seja, foram cavaleiros que lutaram nas cruzadas. Porém, os planos de Felipe não se saíram tão bem e muitos dos cavaleiros não foram localizados. O então líder [Grão-Mestre] da Ordem do Templo, Jacques DeMolay, estava em Paris participando do sepultamento da esposa de Carlos de Valois, irmão do rei, e foi facilmente localizado pelos guardas. Depois de capturado, ele passou sete anos sob constantes torturas para que entregasse seus irmãos, os membros da Ordem Templária. O prisioneiro não cedeu. Em 18 de março de 1314 a paciência de Felipe IV se esgotou e Jacques DeMolay, aos 70 anos, foi queimado em praça pública.

Essa história é rodeada por lendas e especulações. Diz-se que DeMolay teria feito uma última prece enquanto queimava, intimando seus acusadores ao “tribunal do Juiz de Todos nós, Deus todo poderoso em, no máximo, um ano”. O então papa, Clemente V, faleceu em 19 de abril de 1314 por problemas intestinais. Felipe IV caiu do cavalo em 29 de novembro do mesmo ano e o cavaleiro Guillerme de Nogaret, braço direito de Felipe, foi envenenado em dezembro também de 1314. Não sabemos ao certo se isso é misticismo ou se os próprios templários restantes teriam se unido para cumprir a última vontade de seu Grão-Mestre.

DeMolay teria, ainda, amaldiçoado até a décima terceira geração de Felipe IV. O último templário seria o carrasco de Luis XVI, rei decapitado durante a revolução francesa. Antes de morrer, o rei teria perguntado “Posso, ao menos, saber o nome do meu carrasco?” e teria ouvido a seguinte resposta: “Não. Estou aqui em nome de Jacques DeMolay”.

Essa é apenas uma breve versão da emblemática e exemplar história de Jacques DeMolay, o homem que preferiu ser torturado e morto pelas chamas do que quebrar seu juramento de fidelidade e retirar a proteção que o anonimato dava a seus irmãos. Em 1919, um maçom chamado Frank Sharman Land, em Kansas City-MO nos EUA, decidiu criar um Conselho de jovens inpirando-se nesses ideais de fidelidade e companheirismo.

Hoje a Ordem DeMolay está presente em 13 países como EUA, Brasil e Alemanha. Entretanto, ela é rodeada de muitos mitos que formam uma espécie de neblina sobre as boas obras que todos seus membros fazem. Para entender seu real significado, basta ver seus ideais primeiros que são as Sete Virtudes Cardeais: Amor filial, Reverência pelas coisas sagradas [Tolerância religiosa], Cortesia, Companheirismo, Fidelidade, Pureza e Patriotismo.

A Importânca da Ordem está em trabalhar sobre o caráter de jovens para formar grandes líderes e excelsos cidadãos. A fraternidade é a chance de diminuir a intolerância entre os povos e aproximar as nações para construir um mundo melhor. Isso acontece através de trabalhos sociais voluntários, estudos, debates e várias outras formas.

Ser DeMolay é reconhecer que a busca tem tanto valor quando a conquista. Tentar governar de forma perfeita uma máquina, essencialmente, imperfeita como o Homem é uma tarefa árdua e que jamais poderá ser alcançada completamente. Mas essa batalha incessante já é um nobre mérito de todos os membros-irmãos.

Reconhecer a soberania do coletivo sobre os interesses individuais. Estar sempre a postos para defender a honra e os anseios de sua Nação diplomaticamente ou não. Ser sempre prestativo e lutar pela harmonia das relações entre as pessoas desde conversas informais até às disputas políticas. Respeito à figura da mulher e reverência pelo grande papel que elas exercem ativamente no milagre da vida, nos nossos primeiros anos e como alicerces em toda nossa vida pessoal. Um DeMolay não precisa de maiores garantias de um irmão do que sua palavra e não deve nunca faltar com ela. Como já disse ninguém é perfeito e, inclusive um DeMolay, pode faltar em algum momento com essas premissas, mas elas são metas que jamais devem sair de seu cotidiano.

A Ordem não uma é religião, qualquer pessoa que não pratique o ateísmo pode ser um DeMolay. Não necessariamente, quem é DeMolay vai ser maçom. Para ser DeMolay, basta ter entre 12 e 21 anos completos, ser amigo de algum membro e ser fiel às suas declarações.

Esse grande exército de jovens é uma organização complexa e não quero estender muito essa postagem. Ficaram algumas coisas sem falar mas me coloco à disposição para esclarecer qualquer dúvida, de verdade. Podemos ter segredos quanto às nossas formas de reconhecimento, mas nossos ideais e objetivos podem e devem ser conhecidos por toda a sociedade.

Abaixo coloquei um vídeo explicativo sobre a Ordem, feito pelos irmãos do Capítulo XVIII de Março



Trecho de uma das cerimônias públicas. Essa se chama “Cerimônia das Flores” e é dedicadas às mães


Sugestão de link:

- Site do Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil - http://www.demolaybrasil.org.br/

P.S.: A frase do título é a justificativa da ONU por considerar a Ordem DeMolay uma ONG fundamental à sociedade.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Com o suor de tua tela

- Perdoe-me, pdre, porque pequei.

O padre acorda da sesta que ele fazia dentro do confessionário e lança um sinal da cruz apressado.

- Fale, filho.

- Sucumbi à ira. Bati em pessoas que não mereciam. Destruí bens alheios.

- O que aconteceu? - pergunta o padre, uma pouco assustado com o que essas palavras poderiam querer dizer.

- Meu notebook não liga mais. Levei no concerto e começei a brigar com os funcionários. As coisas ficaram feias.

- Ora, filho, você entende a gravidade do que fez? Deixou que a falta de bens materiais o levasse a agredir seus irmãos.

- Eu sei, padre, e estou arrependido.

- Como penîtência, o senhor não usará seu notebook por um mês.

Um barulho brusco se ouve do outro lado do confessionário.

- Ora, padre, assim não dá. Eu tenho que trabalhar, sustentar minha família.

- Sim, claro. Mas?

- Não dá para trabalhar sem o notebook!

Talvez é demais mesmo, pensa o padre.

- Muito bem, então não use seu celular.

- Ora, padre, não seja irracional. Eu não posso viver sem o celular. É o mesmo que pedir que não durma.

O padre começa a se incomodar.

- Então não veja televisão.

- Ora, padre, assim também não. Como que eu vou descansar? Vou acabar morrendo esgotado.

O padre desiste.

- Então reze uma Pai Nosso e três Ave Marias.

A vida do sujeito já é penitência suficiente, pensa, enquanto volta pra sua sesta.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Anacronismo

Virou a esquina da Rua Saturtino automaticamente. O caminho da escola para casa era tão conhecido que Hélio Torres achou mesmo que poderia fazê-lo até de olhos fechados. E por que não?

Estimulado por aquela súbita aventura trivial, o jovem de 15 anos deixou as pálpebras caírem e continuou a caminhar. Um primeiro instante de insegurança e, sem perceber, ele havia diminuído seu passo. Aos poucos, porém, o temor foi passando, o garoto se sentiu mais à vontade percebendo que sabia exatamente o que fazer. Cada desnível, cada calçada, cada buraco a se saltar, os portões que sempre estavam abertos forçando uma passada rápida pela rua e ouviu, inclusive, o casal que todo dia fazia Cooper em uma das ruas perpendiculares e que Hélio gostava sempre de esperá-los passar. Tudo minuciosamente feito e com aquela sensação boa, do medo. Um medo enjaulado pelas grades da autoconfiança.

Passados sete minutos dessa odisséia infantil, Hélio parou segundos antes de ouvir seu nome sendo chamado por uma voz familiar: estava em frente ao portão de casa. Antes de entrar correndo pela passarela do jardim, girar a maçaneta da porta da frente e responder ao chamado da mãe, ele olhou em volta, orgulhoso de sua conquista. Talvez a maioria das pessoas pudesse pensar que aquilo tudo era uma grande bobagem mas, ele pensou, tinha sido, sem dúvidas, um grande feito.

Quando entrou em casa sentiu-se como se tivesse aberto a porta errada. Um estranho estranhamento, um incômodo sem explicação fez surgir rugas de incompreensão na testa do jovem garoto. Tudo estava diferente de algum jeito que Hélio não sabia dizer. Os mesmos móveis, nos mesmos lugares, mas, ainda sim, não pareciam ser os mesmos.

No canto esquerdo da sala ainda estava a velha poltrona marrom do pai, mas não era marrom e sim, bege. Com contornos diferentes. O aparelho de rádio que costumava ficar no centro da sala tinha dado lugar há uma grande janela negra que não dava para lugar algum.

A mãe chamou pela segunda vez, a grito parecia vir da sala de jantar ou da cozinha. Ele foi caminhando e vendo cada canto da casa onde sempre morou de um jeito novo, assustadoramente novo. Quando passou pelo arco da sala de jantar, teve um breve conforto, um suspiro de alívio: Sua mãe estava ao fundo, sentada à mesa. Hélio achou que ela fosse se levantar num salto, com aquele lindo sorriso tão típico e que fosse lhe explicar tudo. Olhou novamente e voltou a suar frio.
Hélio percebeu um ar diferente na senhora Torres, uma postura mais grave, um sentar ereto demais, gélido, roupas com cortes de ângulos retos e impessoais em tons de cinza escuro. Onde estavam os vestidos estampados com flores enormes? A mão que sempre apoiava o queixo meio desajeitadamente? Aquele jeito natural e tão apaixonado de trabalhar que mais lembrava o dele de brincar quando era menor? Ela se virou e, angustiado, ele percebeu que não havia como negar, era sua mãe, Carolina Torres.

Uma conversa breve sobre algo que Hélio não se preocupou em entender, estava muito ocupado esperando pelas explicações que não vieram. A aflição, o pesar e a desorientação continuaram iguais em seu coração até a hora de fazer o dever. Quando abriu seu caderno tudo piorou.

Escrito com sua própria letra, na primeira linha da última página rabiscada: 01/10/2009. 2009?
Hélio vasculhou todos os dias anteriores e confirmou toda aquela maluquice. Como ele havia viajado 60 anos no futuro assim? Sem nem mesmo forçar a mente, conseguia se lembrar nitidamente do dia anterior, 30/09/1949 e dos anteriores... de toda a vida que tivera até ali. E agora essa de 2009?

Mas não era como nos livros que ele havia lido ou como no programa de rádio do Passageiro do Tempo. O garoto não era um viajante solitário, um estranho num mundo futurístico. As pessoas em 2009 o conheciam e, de alguma forma, ele também as conhecia. Eram idênticos à sua família em 1949, melhor, quase idênticos.

De professora no grupo infantil, a mãe passou à gerente de Recursos Humanos de uma empresa. Seu pai não era mais datilógrafo, mas analista de sistemas. Para os outros era como se ele sempre estivesse ali, mas Hélio sabia que aquilo não estava certo.

Dias, meses, anos passaram e o extraordinário parecia não ter fim. O garoto começou a lembrar do que ouvia as pessoas falarem. A infância no interior de Minas nos últimos anos de 1990, as férias nos lençóis maranhenses em 2002, aquela vez que ficou internado por engolir uma pilha do controle remoto aos 3 anos em 1997... Cada vez menos ele entendia e mais precisava voltar para seu lugar... Que lugar?

Não só as lembranças que não eram desse século, o que ele queria, o que pensava, pelo que lutava, com o que se importava, Hélio era um relógio de corda num mundo de poucos relojoeiros... Porém, só ele parecia perceber.

Quanta autoconfiança naquele dia sem ver, quanta falta agora.

Chegou a pensar que tudo poderia não ter passado de um sonho ou de um delírio... Essa coisa de infância em 1940... Então? Filosofia? Biologia? Sociologia? Psicologia? Eu sei que você está esperando uma resposta, leitor, mas nem sempre ela vem ou às vezes está tão exposta que dizê-la seria o cúmulo do óbvio.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Sobre ter Alter Ego e coisas afins

Alter ego ou alterego (do latim alter = outro e ego = eu) pode ser entendido literalmente como o outro eu, outra personalidade de uma mesma pessoa. Num outro sentido, o alter ego de uma pessoa não é uma faceta escondida ou secreta da sua personalidade, mas sim alguém muito íntimo, um amigo fiel e inseparável em que essa pessoa se revê e deposita absoluta confiança.

Essas são algumas das sábias palavras proferidas pela também sábia Wikipédia. Elas foram importantes para que eu entendesse, mesmo que minimamente, quem era a Bia. Sim, eu acabei descobrindo que a Bia Alvarenga (porque ela é chique e tem até sobrenome) é meu alter ego.

E eu não sei porque todo mundo acha estranho, mas eu não posso reclamar dela. Tudo bem que ela tem algumas tendências bissexuais. Tudo bem que ela é meio pervertida. Tudo bem que ela sempre aparece nos piores momentos. Mas, e daí? Ela é divertida, é fina, classuda e é ela quem escreve os textos pornôs mais interessantes que já fiz até hoje.

Ao contrário do que muitos pensam, ela é meu único alter ego. O tão cultuado Frango é apenas um personagem e nunca passou disso. Quando eu sento para escrever, eu tenho total certeza de que sou eu escrevendo aquilo, com um personagem tão complexo quanto eu o criei e tal. Com a Bia é completamente diferente...

É praticamente outra voz que escreve, uma coisa do além, sei lá. Eu sei que sou eu, mas não reconheço os textos em mim. É como se eles fossem uma coisa completamente desligada do meu ser e simplesmente existissem.

Enfim, é difícil de explicar. Fato é que a Bia está aí. Ela anda bem tímida nos últimos tempos, mas quando ela aparecer por aqui, tenho certeza que vocês irão reconhecê-la!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Um pequeno passo para o homem, um enorme passo para a psique

Se o primeiro passo é para os bebês o começo de uma nova forma de vida, podemos dizer que a primeira pisada no acelerador é o aquivalente uns vinte anos depois. Se bem todos temos nossos começos assustadores com o carro (as provas de direção, as quase batidas, as balizas falhadas), uma vez que saímos para a rua, tudo muda, até não podermos mais imaginar como era nosso mundo sem o automóvel.

No entanto, quando o bebê aprende a caminhar, ele continua amando ou odiando da mesma maneira; o caminhar não é um fator que influencie. Agora dirigir... onde já se viu algo que seja fonte de tantos conflitos? Quando subimos ao carro, algo muda. Podemos ficar extremamente covardes ou, pelo contrário, sentir um demônio despertar nas nossas entranahas, mas uma coisa é certa: Nosso eu-condutor toma conta de nós. E, eventualmente, vai nos dar um motitvo para perdermos a paciência.

Para as mulheres, no geral, o problema é que ninguém tem paciência. Que custa as pessoas esperarem cinco minutos no meio da rua, se o pisca alerta tá ligado? A amifa já está vindo! Por que as pessoas lhes buzinam quando são cortadas, se elas ligaram a seta? Também, né, se não passase aí não ia passar nunca. Por que tudo mundo dá freadas bruscas perto delas? Até parece que não estão vendo seu carro.

Para os homens, no geral, o problema é que eles mesmos não tem paciência. Sai da frente, retardado, pensam enquanto dirigem com uma mão no volante e a outra no celular. Ô da roça, reclamam, quando alguém se atreve a passar na sua frente, mesmo que tenha a seta ligada desde que Deus criou o mundo. Por que o mundo não entende que eles tem prioridade, sempre?

Com os idosos, o problema é que eles têm paciência excessiva. Estes jovens de hoje, que não respeitam ninguém. Qual é o problema de ir a 50 km/h na pista da esquerda da BR? Pressa pra quê? Vamos dirigir com calma, que eu tenho uma vida toda de direção nas costas que quero ser respeitado. Andar no meio da faixa tampouco faz tão mal assim a ninguém.

Enfim, se por um lado o transporte facilita nossas vidas, por outro nos dá lugar a um estresse e raiva que não sentiremos da mesma forma em outros momentos. Por incrível que pareça, no entanto, tudo fica para atrás quando você sai do carro. A não ser que seja no meio da rua, por que bateu.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Ainda encontro a fórmula… da criatividade


Tem dia que escuto dos meus amigos “Pô, cara, queria entender as mulheres, viu!”. Outras vezes, numa roda com muitas garotas [quem ler acha que "Eu sou o tal", numa roda com muitas garotas... ], escutei inúmeras vezes a reclamação “Mizaru, vocês homens são muito complicados. Quem dera um dia eu consiga entender essa cabeça…”. Pra mim, ME entender já seria um ótimo começo.

Tudo isso só pra dizer que cheguei à incrível conclusão de que meu processo criativo é, simplesmente, caótico, inexplicável, psicodélico, transcendental, transversal, perpendicular e adjacente. É, enfim, uma consequência mediovágel!!

Não é novidade para ninguém que eu adoro escrever, mas eu não gosto de escrever qualquer coisa. Esse texto mesmo, se não fosse a metalinguagem [pff... que fadiga de teoria...] e essa vontade de quebrar a rotina, ele com certeza estaria fadado a nascer e morrer dentro das estranhas entranhas [han? han? han?] da minha cabeça. Eu gosto de escrever coisas que acho úteis, instigantes e que causem alguma reflexão em você, o leitor.

Mas aí vem o problema: Selecionar idéias [ou ideias]. E idéias [ah, ainda posso escolher com acento, então...] são uma espécie de bicho muito incômodo. No meu caso específico, elas nascem de relance. Não que eu seja um gênio que, num belo dia de sol, vai ter a sacada de escrever uma série de romances com sucesso mundial [neh J.K. Rowling?], muito pelo contrário. Elas nascem como [não quero usar a velha imagem de pedra bruta...]… como…. frutos: pequenos e imaturos, mas eu sei o quão bom podem ser. O problema é como fazê-las chegar ao máximo de seu potencial. Por exemplo, eis algumas que podem, ou não, se tornar textos:

Pensando bem, vou escrever um parágrafo misturando as coisas, assim dá pra perceber melhor como isso tudo fica na minha cabeça:

Um menino muito velho anda pela rua e encontra um pequeno vale de areia movediça. Do outro lado da poça de areia, tem uma lebre que insiste em ficar voando aleatoriamente. O garoto, cansado de tudo aquilo que vê, dá meia volta e mergulha no mar. Depois de mergulhar, as ondas transformam todas as últimas palavras que ele dizia em música e levam o pobre para um asilo onde ele não consegue, de modo algum, encontrar suas lentes.

É, ficou bem divertido esse parágrafo, não dá pra entender nada, mas enfim. E essas coisas ficam, apesar de eu não ter a mínima idéia de como transformá-las em frases coerentes, ainda sim, elas ficam querendo sair daqui de dentro. Isso me enche o saco, às vezes. Bem, that’s all folks…

E essa confusão toda é quando eu TENHO idéias. Quando preciso escrever, ou quero, e não vem nada é bem pior. Porque…

.

.

.

droga.

domingo, 4 de outubro de 2009

Às vezes é necessário mudar

Esse post é especial.

Como vocês devem ter percebido, hoje é domingo. E domingo é o dia em que os macacos tradicionalmente tiram folga. Afinal, se até Deus descansou no sétimo dia, os macacos merecem que ele seja no domingo. E tenho dito.

Mas estamos aqui hoje para informar uma mudança interessante na dinâmica desse blog. Os dias das postagens serão alterados plateia gritando: ohhhhhhh.

A partir dessa semana, Mizaru postará na segunda-feira, Iwazaru postará na quarta e Kikazaru postará na sexta. Então fiquem de olho, porque as postagens continuarão ocorrendo com a frequência de sempre!

O Três Bananas agradece a atenção dispensada e manda todos irem curtir o seu domingo, porque amanhã tem post novo na área.

sábado, 3 de outubro de 2009

O que te atrai?

Uma das melhores sensações do mundo é a de abrir um livro novo e cheirar suas páginas. Se servir de comparação, é um cheiro tão orgástico quanto um amante de carros entrar em um carro novo.

No momento, eu estou com o meu Harry Potter e o Enigma do Príncipe na minha frente. Mesmo depois de quatro anos que eu o comprei, ele continua com aquele cheirinho de novo. Aliás, nada mais apropriado para explicar essa atração por cheiros que a primeira aula de poções dada por Slughorn.

Para quem leu o livro, é nela que estão dispostas várias poções na bancada e Hermione acerta o nome e a propriedade de todas. É também nessa aula que Harry ganha a Felix Felicis. Mas não é por aí que eu quero ir. Alguém se lembra da Amortentia, a poção do amor?

Pois é, de acordo com Slug, ela não gera o amor, pois é impossível produzir ou imitar o amor. Ela causa apenas uma forte obsessão ou uma paixonite. Ainda segundo ele, era uma das poções mais importantes naquela sala, que também continha a Poção Polissuco e a Veritaserum. Não se pode subestimar uma paixão obsessiva...

Uma das formas de identificar a poção é através de seu cheiro. E é nesse ponto que eu queria chegar o tempo todo. A Amortentia tem um cheiro diferente para cada um de nós, de acordo com o que nos atrai. Para Hermione seria grama recém cortada, pergaminho novo e algo que ela não revela (provavelmente o cheiro do Rony). Para Harry, a poção tem cheiro de torta de caramelo, resina de madeira em cabo de vassoura e o perfume da Gina (“Algo floral que ele pensava ter sentido na Toca”).

Eu juro que não tinha parado pra pensar nisso até uns dias atrás, quando uma remessa de livros novos chegou para mim. Eu fiquei uns bons minutos abrindo e cheirando cada um deles. Foi aí que percebi que o cheiro de livros novos com certeza comporia a minha poção do amor. O cheiro de terra molhada, logo após o início de uma chuva, também estaria entre esses prazeres. O terceiro... bem, esse não dá pra falar.

Cheiros são realmente atraentes. Uma mulher com o cheiro certo me conquista fácil, seja perfume ou o cheiro dela mesmo. É biológico? Não sei. Prefiro pensar que é algo psicológico...

E então? Para você, qual seria a composição da sua poção do amor?

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Diga-me quando te casas e te direi de que ano és

Tenho pensando muito, ultimamente, nas relações amorosas dos tempos de hoje. A princípio, a união de um homem e uma mulher é uma coisa bem simples: Devido a certas características, dois seres de sexos opostos se atraem, copulam e criam novos seres. Hoje em dia...

As tais “características” que estimulam a atração mudaram bastante durante a história. Geralmente físicas ou emocionais, elas sempre estiveram atreladas ao contexto social (antes, ser magro era ruim, pois queria dizer que o sujeito não tinha comida em casa, ou que era doente). Hoje em dia, os arquétipos formados de homem e mulher ideais são, a grosso modo: Rico, musculoso e inteligente (nessa ordem); “gostosa” (ou seja, favorecida em algumas áreas e deficiente em outras), inteligente e bem-sucedida (esta última é debatível para aqueles com menos auto-confiança). Mas enfim, continuamos escolhendo aqueles que nos atraem, seja pela razão que for. Nessa área, até que não mudamos tanto.

Já quanto ao copular... a distância entre a atração e a copulação depende do casal. Para muitos, são menos do que algumas horas. Existe, é claro, uma relação diretamente proporcional entre o nível de álcool na corrente sanguínea dos copulantes e o tempo que lhe levou para ir ao ato. Ou pode ser simples safadeza, também. Já para outros, há um eternidade (senão temporal, mental) entre se conhecer socialmente e biblicamente. Segue um exemplo.

Mulher X encontra Homem Y. Eles conversam e se sentem atraídos. Mulher X deixa seu telefone com Homem Y. Ele não liga por três dias. Mulher X se desespera. Quando já começa a olhar para outros homens, Homem Y liga. Ao parecer, seu celular tinha sido levado pela polícia, que o confundira com evidência de um crime com o qual Homem Y não tinha nada a ver. Os dois marcam um encontro. Os dois vão ao encontro. Continuam a se gostar. Homem Y leva Mulher X à porta de casa. Os dois se beijam, mas ela entra rápido, porque não está pronta. Mulher X adiciona Homem Y no Orkut. Ela descobre com horror que a página está cheia de recados de outras mulheres. Sabe que ainda não pode tirar satisfação, então engole seu ciúme. Sente até um espírito de competição. Essas vadias que se cuidem. Homem Y liga em poucos dias. Mulher X se congratula interiormente por ter entrado rápido em casa na noite do encontro. Os dois marcam mais um encontro. Mulher X menciona em tom casual o tanto de recados de mulheres no Orkut. Ele responde em tom casual que elas não tem importância. Mulher X se sente orgulhosa. Homem Y leva ela em casa. Os dois dormem juntos.

Aqui chegamos a um ponto crucial da história, que leva à terceira fase do relacionamento homem-mulher. Pode acontecer que, após a fatídica noite, Homem Y não ligue nunca mais e, olha só quem diria, as vadias do Orkut eram importantes sim. Mulher X chora, se arrepende, se sente uma idiota, come sem controle, se embebeda com as amigas e continua sua vida normalmente. No entanto, existe uma outra possibilidade.

Homem Y continua a ligar e os dois continuam a sair. Mulher X começa a passar muito tempo na casa de Homem Y. Os dois decidem se mudar juntos. Homem Y é promovido. Mulher Y escreve um livro de sucesso. Os dois se casam. Porque ela viaja muito, eles decidem esperar para ter filhos. Mulher X passa cada vez mais tempo fora de casa. Homem Y contrata uma nova secretária estonteante. Mulher X odeia. Os dois brigam. Os dois ficam de boa. Nessa noite, Mulher X esquece da pílula. Nasce criança A.

Chegamos aqui ao final de nossa história. Se você sentiu cansaço só de ler, imagina viver. Se por um lado ganhamos autonomia, por outro, quanto temos que trabalhar! E pensar que houve uma época em que nossos pais, um dia, junto com as ordens de “não ande descalço pela casa” e “chega de brincar na lama”, nos avisavam com quem íamos casar. Simples assim.